segunda-feira, 30 de junho de 2014

TESOUROS NOS CÉUS

 Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração (Mateus 6:19,20,21)  
O que Jesus de fato esta ensinando aqui neste texto? Seria Jesus contra as riquezas? Será que Jesus esta falando de dinheiro? O que você acha? Toda vez que ouvimos a citação desse texto, ele esta sempre ligado a dinheiro, a riquezas, a bens, é um dos textos fundamentais da teologia da pobreza. É Interessante que; ate os ambiciosos na sua ganância pelo dinheiro com ar de piedade usam este texto para arrancar o dinheiro de pessoas simples, fazem sermões levando as pessoas a darem às vezes ate o que não tem, a troco de uma interpretação totalmente equivocada.
Jesus começa falando sobre não dá esmola para que os outros vejam, ou seja: o verdadeiro servo de Deus ele não toca trombeta, o que ele faz de bem ao próximo ele faz sem nenhuma demonstração, há pessoas que entendeu tão bem esta pratica de Jesus que quando quer fazer o bem a alguém, manda outro levar de forma discreta e não dizer quem mandou porem aqueles que não entenderam essa prática de Jesus quando fazem alguma coisa a alguém, toca trombeta, faz pra todo mundo vê e divulga pra todos saber, Jesus diz, quando fizeres não deixe ninguém saber que você fez.
Jesus continua e agora ele vai ensinar, quando orares, ores sozinho, em pensamento, ninguém precisa ouvir a sua oração senão teu pai celestial. Quantas pessoas faz questão que o outro ouça a sua oração, Jesus chamou de fariseu (hipócrita) Jesus fala que não devemos ficar repetindo palavras, mostrando que nossa oração deve ser objetiva, e em seguida Jesus vai deixar para seus seguidores um modelo de oração que muitos insistem em fazê-la uma reza.
Na oração do pai nosso, Jesus começa abrir para aqueles que conseguem entender o que de fato ele veio fazer entre os homens, Jesus veio trazer o governo de Deus, o governo do céu, nessa oração esta a expressão “seja feita a tua vontade, aqui na terra como é no céu”  aqui esta o segredo que poucos  conseguem enxergar, que Jesus veio trazer um reino diferente de tudo o que há aqui na terra, só quem consegue entender isso vai entender o que ele quis dizer quando disse, “o meu reino não é desse mundo”
Paulo entendeu logo, ao ler Colossenses 3:1 - PORTANTO, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. 2) - Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra;  entendemos de que reino jesus estava falando, Jesus é o rei, o rei da glória Salmos 24:8 - Quem é este Rei da Glória? O SENHOR forte e poderoso, o SENHOR poderoso na guerra. E o seu reino não é deste mundo “mundo sistema” sistema de coisas, pensamentos, projetos, ideias, as coisas aqui na terra não funcionam como no céu, e Jesus veio trazer o funcionamento do céu, e tudo diferente, quem é da terra não ama, que é do céu ama, quem é da terra é injusto, más quem é do céu é justo, quem é da terra pratica as coisas da terra, más quem é do céu pratica as coisas do céu, não se compara o reino do mundo como o reino do céu, reino do céu não é futuro, reino do céu é hoje, é aqui e agora, (Mateus 4:17) - Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus. (Lucas 17:21) - Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós. O reino de Deus, ou o reino dos céus não vai chegar já chegou!!!
O reino de Deus já chegou, já esta entre nós, e é exatamente isso que Jesus esta falando, invista no reino de Deus e não no reino da terra, é preciso entender que a expressão reino dos céus e reino de Deus são a mesma coisa, é o mesmo reino, apenas Mateus como judeu prefere usar céus em lugar de Deus, quando que Marcos e Lucas que não eram judeus disseram Deus!  Más ambos estão falando de uma mesma coisa, reino dos céus ou reino de Deus significa “governo de Deus” Jesus veio trazer o governo de Deus aos homens, a vontade de Jesus que os homens sejam  governados por Deus.

Quando Jesus diz: Não ajunteis tesouros na terra, Jesus esta dizendo, não invista nesse reino injusto, nesse reino onde satanás é o governo, más invista tudo o que você puder no reino que é governado por Deus, ou seja, acumule riquezas no reino que é de cima, e não no reino que é debaixo, o reino de baixo é corrupto, injusto, opressor, pecaminoso, é um sistema de morte, as pessoas não amam, as pessoas se matam, tudo que Deus abomina pertence ao reino da terra, então Jesus esta dizendo, vocês não são deste mundo (João 17:16) - Não são do mundo, como eu do mundo não sou. Eu não pertenço a este mundo, você não pertence a este mundo, portanto não invista neste mundo, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração (Mateus 6:19,20,21)  se você se envolver com esse mundo, isto significa que você pertence a este mundo, logo o teu coração pertence a este mundo. Pensar nas coisas que são de cima significa que; tudo o que você fizer é segundo o padrão do céu e não conforme o padrão da terra esse é o sentido da palavra.

sábado, 28 de junho de 2014

O QUE FAZER PARA PROSPERAR

A teologia da prosperidade tem duas parceiras, a batalha espiritual e a angustia da alma. Todos aqueles que absorveram a teologia da prosperidade, submeteram-se a teologia da batalha espiritual e trouxeram para si a angustia da alma.Começa assim, muitos não se qualificaram para a vida, por isso decidiram-se serem prospero de forma milagrosa, apelaram para o sobrenatural, com isso entraram em batalha espiritual (parceira da teologia da prosperidade) e nessa batalha espiritual para através do sobrenatural alcançar a prosperidade trouxeram para si a angustia da alma, pois todos que lutam para ter, são acometidos da angustia.

(I Timóteo 6:7) - Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele. 
8) - Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. 
9) - Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. 
10) - Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. 
11) - Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão. 

quarta-feira, 25 de junho de 2014

O QUE POSSO FAZER PARA SER ABENÇOADO?

Pense nisso!
Na velha aliança (velho testamento) Deus fez um pacto com Abraão, e a todos quantos Deus abençoava, Ele dizia "Como jurei a meu servo Abraão"
       
Os textos bíblicos são claros, Deus abençoava por amor a A abraão e não por méritos dos que eram abençoados.

Na nova aliança (novo testamento) Deus fez um pacto com Jesus "seu filho, seu servo" e agora Ele nos abençoa por amor a Jesus, seu filho.

(Gálatas 3:26) - Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus. 
27) - Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. 28) - Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. 29) - E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa. 

Não mereço nada, jamais merecerei, não há nada que eu possa fazer para merecer alguma coisa de Deus.

(Efésios 2:8) - Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. 9) - Não vem das obras, para que ninguém se glorie; 10) - Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas. 

sexta-feira, 13 de junho de 2014

A DOUTRINA DO PECADO ORIGINAL.



O pecado original é uma doutrina cristã que pretende explicar a origem da imperfeição humana, do sofrimento e da existência do mal através da queda do homem. 1 Tal doutrina não existe no Judaísmo2 nem no Islamismo.3 Foi desenvolvida por bispo Irineu de Lyon (ca. 130 — 202), em sua controvérsia com o dualismo do Gnosticismo.
A doutrina do pecado original se apoia em várias passagens das Escrituras: a epístola de Paulo aos Romanos (5:12-21) e aos Coríntios (1 Co 15:22), e uma passagem do Salmo 51. Mas primeira exposição sistemática sobre o pecado original - de cuja interpretação derivaram todas as controvérsias - é a de Agostinho de Hipona, no século IV 4 . Foi também no século IV que se deu a conversão do Império Romano ao catolicismo. Segundo Le Goff, o dogma do pecado original teria contribuído para aumentar o poder de controle da Igreja sobre a vida sexual, na Idade Média. 5
Segundo a doutrina, os primeiros seres humanos e antepassados da humanidade, Adão e Eva, foram advertidos por Deus de que, se comessem do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, certamente morreriam. No entanto, instigados pela serpente, ambos comeram o fruto proibido, tendo Eva cedido primeiramente à tentação e posteriormente oferecido o fruto a Adão, que o aceitou. Ambos continuaram vivos, mas foram expulsos do Jardim do Éden. Existem polêmicas quanto ao significado real dessa narrativa, bem como em que se constituiria tal pecado, se é que seria realmente algum. Algumas denominações cristãs recentes chegam mesmo a negar a sua existência. Na perspectiva cristã, contudo, a morte (imerecida) de Cristo é recorrentemente suposta como necessária para salvar os seres humanos desse "pecado de origem", que seria congênito e hereditário.
Nenhum trecho bíblico traz esclarecimentos que possam colocar fim a essa que é uma das maiores questões do cristianismo. As doutrinas a respeito do pecado original têm sido historicamente um dos principais motivos para o surgimento de heresias e para os cisma entre os cristãos, desde os primeiros séculos da era cristã. Várias interpretações divergentes sobre o significado da narrativa contida no livro do Gênesis foram dadas por teólogos, antropólogos e psicanalistas.
Cristianismo
A questão do pecado aparece no cristianismo principalmente em Agostinho de Hipona (Santo Agostinho), que associa o pecado à culpa herdada por todo o gênero humano depois que Adão e Eva sucumbiram à tentação do Diabo e, devido ao seu orgulho e egoísmo, rejeitaram o amor e a obediência devida a Deus. Assim sendo, o pecado original tem para Agostinho um caráter congênito e hereditário, pois em Adão toda a humanidade pecou, abrindo as portas para a entrada do mal, da morte física e espiritual e de todas as suas consequências.
Surge então a questão do PelagianismoPelágio (360 - 435) vê no pecado uma espécie de exemplo a não ser seguido, o que faria com que a salvação dependesse exclusivamente do ser humano. Segundo Pelágio o pecado não seria congênito nem transmitido, mas seria adquirido por imitação. Para Pelágio, o homem nasceria bom e inocente. Agostinho discorda dessa tese e vê nas doutrinas pelagianas a manifestação da presunção humana que erroneamente levaria a supor que a salvação depende apenas de nossa vontade, de nossos próprio atos, escolhas e obras, negando o caráter salvador e redentor de Jesus Cristo. A visão agostiniana do pecado original foi herdada por todo o cristianismo ocidental e está presente em todas as denominações cristãs históricas católicas ou protestantes.
A semente da serpente
A semente da serpente é uma nova revelação doutrinária sobre a questão do pecado original. Esta nova revelação foi recebida por um evangelista americano que viveu no século XX (1909 - 1965), chamado William Marrion Branham. Baseado em tradições apócrifas judaicas e gnósticas, Branham afirmava ter recebido a revelação particular de que o Pecado Original teria sua origem no fato de Eva ter copulado com a serpente, a qual introduzira nas gerações humanas sua semente, dando origem a posteridade de Caim, a qual contaminou toda a humanidade.
Judaísmo e Islamismo
Para o Judaísmo e o Islamismo, não há pecado original. Judeus e muçulmanos adotam a doutrina pelagiana, embora segundo a doutrina muçulmana todos os seres humanos ao nascerem sejam tocados pelo Diabo.
Exceções
Todas as religiões cristãs compartilham a crença de que Jesus Cristo nasceu sem o pecado original. Sua natureza era em tudo igual à humana com exceção do pecado.
A Igreja Católica Romana, no século XIX, mais precisamente no ano de 1854 através do Papa Pio IX acrescentou a seus dogmas mais uma exceção, a Virgem Maria, mãe de Jesus, que teria sido concebida sem o Pecado Original: é o dogma da Imaculada Conceição. Segundo este dogma, a Virgem Maria teria sido preservada desde sua concepção de toda contaminação do Pecado Original devido a providência divina, pois ela haveria de ser a Mãe de Jesus Cristo. Esta doutrina de origem Franciscana data da Baixa Idade Média, tendo sido combatida enfaticamente por grandes expoentes da doutrina católica especialmente pelos Dominicanos entre os quais São Tomás de Aquino e pelo Cisterciense São Bernardo de Claravaux.
O Islamismo afirma que a Virgem Maria não foi tocada por Satanás ao nascer.
As Igrejas Ortodoxas Orientais afirmam que a Virgem Maria nasceu com o Pecado Original. Entretanto, ela foi preservada devido a graça divina de todo e qualquer pecado atual, até ser completamente purificada do Pecado Original quando se deu a encarnação do Verbo durante a Anunciação.
Psicanálise
Na perspectiva psicanalista foi sugerido que o pecado mencionado no Gênesis teria sido o ato sexual. Esta explicação não encontra, contudo, raízes nas tradições judaicas pré-cristãs, em que a união carnal entre o homem e a mulher foi estabelecida por Deus. Entretanto se o pecado original fosse o ato sexual, Deus mesmo teria induzido o homem ao pecado, quando ordenou, crescei, multiplicai e enchei a Terra.
Segue-se uma das explicações "antropológicas" (entendida no contexto de que o livro sagrado pretende a apresentação de uma explicação ou uma construção explicativa das origens do universo, do nosso mundo, da humanidade, da civilização em geral e da hebraica em particular, e por fim das origens do bem e do mal): Até atingir a fase da "civilização" o homem vivia no "estado de natureza", em oposição ao "estado de cultura", explicação essa totalmente compatível com o evolucionismo darwinista. O comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal seria o divisor de águas, ou seja a ruptura da comunhão entre o ser humano e a natureza. A partir de então o homem passou a reconhecer-se como separado e independente da natureza, adquirindo consciência de sua morte e finitude, adotando valores, crenças e objetivos independentes da natureza. Deu-se a traumática transição do animal para o hominal, como definia Teilhard de Chardin.
Como consequência, o homem se envergonhou da nudez, tomou consciência da morte e da mortalidade, e passou a trabalhar para acumular.
O texto ainda lança uma espécie de enigma da transcendência: a árvore da vida com seu fruto, impedida ao homem pelas espadas flamejantes de querubins. Não se trata, evidentemente, de frutas nem árvores, mas de um simbolismo espiritual cujo significado vem desafiando a humanidade ao longo dos milênios: o desejo de viver eternamente. 

Referências



1Oxford Dictionary of the Christian Church (Oxford University Press 2005 ISBN 978-0-19-280290-3), article Original Sin
4.   Encyclopædia Universalis"Péché originel"
5.   LE GOFF, Jaques; FRUONG, Nicolas. Uma história do corpo na Idade Média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.



DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem

   
ORA, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. - E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.- E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra (Gênesis 12:1,2,3) . 

     Abraão foi escolhido por Deus para uma grande missão, de Abraão nasceria uma nação da qual sairia o salvador, Abraão o grande líder chamado por Deus,  Deus o faz promessas as quais todas se cumprem e uma das promessas feita ao líder Abraão é esta "E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem"

   Não foi diferente com Moises, o segundo grande líder, ele tinha a benção de Deus e quando alguns se levantaram contra Moises sofreram o peso da mão de Deus, sua própria irmã Miriam provou, isso sem falar dos dois rebeldes que a terra os engoliu com seus insurretos.

     Ainda nos dias de hoje muitos estão debaixo da maldição por não honrar, não obedecer seus lideres espirituais.

Eu disse líderes espirituais, aqueles que foram de fato chamados por Deus para liderar.

Muitos se tem feito lideres, a esses Deus os chamará para um acerto de contas.